Dra. Suelen Rodrigues Stallbaum – Hematologista Londrina, Apucarana, Maringá e região

Ivermectina, Annita e antiparasitas: quando usar?

Se você nunca tinha ouvido falar sobre o uso de antiparasitas, durante a pandemia você provavelmente ouviu. 

Nomes como Ivermectina e Annita (Nitazoxanida) são muito falados como forma de prevenção e até tratamento da Covid-19 e hoje quero falar sobre isso. Como vocês sabem, minha missão como médica é oferecer uma medicina baseada em evidências e não é diferente aqui nas minhas redes. Então, gostaria de lembrar que esse é o conteúdo escrito por uma médica que preza pela ciência, certo? 

“Uma luz no fim do túnel”. Assim foi descrito em uma matéria o estudo realizado pela Monash University, na Austrália, que usou medicamento antiparasitário em células infectadas in vitro e observou uma neutralização do vírus após 48 horas. 

Após a divulgação desse estudo, aqui no Brasil muita gente começou a buscar pelo medicamento nas farmácias, tanto que os estoques foram esgotados e a Anvisa passou a solicitar receituário médico para a venda. 

Mas, qual o problema de tomar a medicação como profilaxia para a Covid?

O problema é que NÃO existem comprovações científicas da eficácia. O estudo foi feito em células in vitro e não em humanos e nos pacientes que usaram, não houve uma prevenção ou melhora no tratamento. Inclusive, em meados de julho a própria Anvisa se manifestou dizendo ser contra uso rotineiro dos antiparasitas para prevenção e tratamento da doença pelo novo coronavírus, reforçando que o medicamento tem apenas indicação para uso conforme o que consta na bula.

E o que consta na bula? Quando usar Ivermectina, Annita e antiparasitas?

Comprovadamente, os antiparasitas podem ser usados, com indicação médica em casos de:

  • Infecções virais causadas por rotavírus e norovírus (gastroenterites)
  • Enfermidades causadas por parasitas como nematódeos, cestódeos (lombriga, solitária etc.) 
  • Infecção por protozoário
  • Diarreia causada por protozoário Giárdia, Cryptosporidium, Blastocystis hominis, Balantindium coli e Isospora belli

Ou seja, são medicamentos conhecidos para tratar protozoários, vermes e piolhos. Absolutamente nada até o momento nos trouxe comprovação sobre a eficácia diante do coronavírus. Lembre-se: a melhor prevenção é o isolamento social, o uso de máscara e a higienização correta das mãos.

Me conta aqui nos comentários se você conhece alguém que fez uso e se ficou clara a explicação, combinado? E me ajude a espalhar a informação 😉 

Dra. Suelen Stallbaum⠀⠀⠀

Hematologista (RQE 21.929)