Dra. Suelen Rodrigues Stallbaum – Hematologista Londrina, Apucarana, Maringá e região

O que é Policitemia Vera

Lembra que há pouco tempo te falei sobre doenças mieloproliferativas? Elas são aquelas doenças que surgem quando algo sai fora da normalidade na medula óssea, que começa a produzir células-tronco em uma quantidade muito maior do que o esperado.

Como as células-tronco são as responsáveis pela produção do nosso sangue, quando algo não está bem com elas, consequentemente não está bem com nosso sangue.

A Policitemia Vera faz parte do grupo de doenças mieloproliferativas. Os glóbulos vermelhos, que são os “transportadores” de oxigênio no sangue, passam a se multiplicar de forma descontrolada.

Mas você pode estar se perguntando: por que isso é tão ruim para o corpo? 

Com o aumento do volume de glóbulos vermelhos, o espessamento (ou seja, grossura)  do sangue também altera. Isso acaba gerando problemas circulatórios, que nem sempre apresentam sintomas rápidos.

Os sintomas são diversos. Por afetar a parte circulatória, o paciente pode ter:

  • Dores de cabeça
  • Aumento do tamanho do baço (esplenomegalia)
  • Hematomas pelo corpo
  • Sangramentos gengivais
  • Fadiga
  • Trombose intra-abdominal 
  • Formigamentos 

Não sabemos exatamente o motivo do surgimento da doença, mas estudos já mostram que mais de 95% dos pacientes apresentam uma alteração no gene JAK2, o que pode auxiliar no diagnóstico.

Para diagnosticar a Policitemia Vera, iniciamos com um exame de sangue comum para avaliarmos os componentes do sangue, como o volume de hematócrito e hemoglobina. Pedimos também, um mielograma, que é um exame feito para avaliar a medula óssea. Assim conseguimos identificar o excesso na produção de células-tronco.

Se não tratada, a Policitemia Vera pode evoluir com complicações como trombose, sangramento, alterações de sensibilidade nos nervos e essas alterações podem ser evitadas com o tratamento adequado. Infelizmente a Policitemia Vera pode também evoluir para outras doenças hematológicas como a Mielofibrose ou a Leucemia Mieloide Aguda e nesses casos o tratamento não consegue evitar a progressão, mas o diagnóstico ao primeiro sinal de evolução garante um tratamento mais precoce.

Hoje não falamos em um tratamento de cura para a doença, mas conseguimos um bom controle, evitando os sintomas que comentei. 

Uma forma comum de tratar a doença em seu estágio inicial é com a flebotomia, que é a sangria, quando tiramos uma quantidade de sangue do paciente para livrá-lo de algum componente específico. 

Já nos casos mais evoluídos, medicamentos como o quimioterápico Hidroxiureia (via oral) podem ser receitados. Uma outra medida de tratamento é o uso de aspirina, como AAS e Heparina, em doses baixas, pois eles afinam o sangue e evitam o risco de trombose. Para determinar qual o melhor tratamento somente com um hematologista familiarizado com o seu caso.

Ficou com alguma dúvida? Me conte nos comentários! Para agendar uma consulta comigo, em Londrina ligue para (43) 3372-2500  ou (43) 3422-0836 em Apucarana. WhatsApp apenas para agendamento: (43) 99187-9191.