Dra. Suelen Rodrigues Stallbaum – Hematologista Londrina, Apucarana, Maringá e região

Mieloma Múltiplo em dados

 

Um câncer raro, pouco falado na mídia, que atinge principalmente homens acima dos 60 anos: esse é o Mieloma Múltiplo, tema de hoje aqui no blog. Quer entender mais e tirar suas dúvidas sobre o assunto? Então é só conferir o conteúdo 🙂

O mieloma é um câncer que começa lá na medula óssea. Lembra dela? A nossa fábrica do sangue? Pois é lá que são produzidos os leucócitos (glóbulos brancos), as hemácias (glóbulos vermelhos), e as plaquetas.

Um defeito celular é responsável por iniciar a doença, já que no momento em que os linfócitos B vão se diferenciar e tornarem-se plasmócitos, ocorre uma mutação em um ou mais dos seus genes e os plasmócitos são multiplicados de forma anormal. Essas células doentes se acumulam na medula óssea, dificultando o funcionamento das células saudáveis. Os plasmócitos produzem um anticorpo anormal, que é chamado de proteína M. Porém, também existe o chamado mieloma múltiplo não-secretor, que é aquele onde não há a secreção da proteína M.  

Conheça o Mieloma em Dados:

-> Representa 1% de todos os tipos de câncer

-> Entre os cânceres hematológicas, representa entre 10 e 15% de todos os casos

-> Atinge principalmente idosos e casos de pacientes com menos de 20 são extremamente raros

-> 2% dos pacientes têm menos do que 40 anos

-> Já 35% dos pacientes têm menos de 65 anos

Fonte: ABHH

Os sinais e sintomas mais comuns quando a doença já está um pouco avançada são:

  • fortes dores ósseas
  • fraqueza 
  • fraturas
  • fadiga (devido a uma possível anemia)
  •  infecções recorrentes 
  •  demora na recuperação de infecções
  • Alterações na urina

Os exames para diagnóstico são:

  • Biópsia da medula óssea: Importante para conseguir fazer a contagem de células do mieloma na medula óssea;
  • Hemograma completo: avalia anemia, contagem de glóbulos brancos e plaquetas;
  • Eletroforese de proteínas, para avaliar a proteína M;
  • Teste de urina;
  • Outros exames de sangue para avaliar o estágio da doença.

Também existem os exames ósseos:

  • Radiografia
  • Ressonância Magnética
  • Tomografia

Infelizmente, ainda não existe cura para o Mieloma, por isso, o tratamento tem como principal objetivo o controle da doença, oferecendo qualidade de vida ao paciente e evitando que outros órgãos sejam afetados, como ossos e rins.

O tratamento pode incluir:

  • Quimioterapia
  • Hemodiálise (quando os rins já estão comprometidos)
  • Cirurgias para correções ósseas que possam estar comprometendo a qualidade de vida do paciente
  • Radioterapia para controle de dor e diminuir o risco de fratura
  • Transplante de medula óssea

Depois disso, fazemos o tratamento de manutenção com a administração de alguns medicamentos que serão definidos pelo hematologista.

Lembre-se: Assim como outros tipos de doenças do sangue, o mais importante é descobrir no estágio inicial. Ficou com alguma dúvida sobre Mieloma? É só deixar nos comentários. Para consultas em Londrina ligue para (43) 3372-2500. Em Apucarana o número é (43) 3422-0836. WhatsApp apenas para agendamento: (43) 99187-9191.