Dra. Suelen Rodrigues Stallbaum – Hematologista Londrina, Apucarana, Maringá e região

Entendendo mais sobre a Hemofilia

Quando falamos em problemas de coagulação no sangue, muitas vezes alguém pergunta sobre a Hemofilia. Então, hoje resolvi falar sobre esse tema aqui com vocês.

Você sabia que não existe só um tipo de hemofilia? Pois é! Hoje vamos conversar sobre a Hemofilia tipo A e B. O primeiro tipo, que representa entre 70 a 85% dos casos diagnosticados,  acontece por uma anormalidade (ou deficiência) no fator 8 (VIII) do sangue e é uma doença relacionada ao cromossomo X. Como sabemos, não é comum: acontece em cerca de 1 para cada 10.000 nascimentos de crianças do sexo masculino. É importante lembrar disso: a hemofilia é uma doença presente em homens, ok?

O fator VIII é um fator coagulante essencial. A gente já falou sobre ele aqui quando falamos da doença de Von Willebrand, mas essas são doenças diferentes, certo?

Enquanto a tipo é A é uma deficiência no fator 8 do sangue, a tipo B é caracterizada pela deficiência do fator seguinte, o 9 (IX). Ela é ainda mais rara: 1 caso para cada 30.000 nascimentos de meninos e representa no máximo 30% dos casos de hemofilia.

Apesar de ser uma doença hereditária, muitas vezes a criança é a primeira da família a apresentar a condição. Os sinais e sintomas dos dois tipos de hemofilia são:

  • Hemorragias nas articulações (joelhos, cotovelos, tornozelos)
  • Hematomas musculares
  • Hemorragias: cavidade oral/boca
  • Hemorragias pós cortes ou cirurgias

Para diagnosticar a hemofilia é preciso haver um exame que mostre a diminuição do fator VIII ou IX no sangue do paciente, que provavelmente chegará até o consultório com a queixa de sangramento intenso e contínuo. Quando a gente fecha o diagnóstico de hemofilia, decidimos se o tratamento será com a reposição dos fatores por meio de concentrados plasmáticos ou com medicamentos.

Além disso, é preciso cadastrar o paciente no hemocentro de sua região para que ele tenha o devido acompanhamento em casos de urgências e também consultas periódicas com o hematologista. A gente determina a frequência dessas consultas de acordo com o quadro de cada paciente.

A hemofilia pode assustar quando as pessoas dizem que “o sangramento não para”. Porém, não é bem assim! É preciso ter calma e buscar o tratamento para se ter uma vida normal e saudável.

Ficou com alguma dúvida? Estou aqui pra te ajudar! Deixe nos comentários ou agende uma consulta. Em Londrina, ligue para (43) 3372-2500, já em Apucarana o telefone é  (43) 3422-0836. WhatsApp apenas para agendamento: (43) 99187-9191. Até a próxima! 😉