Dra. Suelen Rodrigues Stallbaum – Hematologista Londrina, Apucarana, Maringá e região

Febre pode matar? Entenda a neutropenia febril

Febre pode matar? Esse é o tema dessa semana. Vamos aprender?

Durante o mês de junho estamos falando sobre essas emergências oncológicas. Já falamos sobre Hipercalcemia maligna e Síndrome de Lise Tumoral. Hoje, para dar sequência, quero te explicar sobre outra emergência onco-hematológica,  a Neutropenia Febril. Só pelo nome provavelmente você não tenha ideia do que eu estou falando, né?

Ué, não era febre que mata? Calma, vamos chegar lá! Mas antes, vamos entender mais sobre o assunto?

Os neutrófilos são um tipo de leucócitos – as células do sistema imunológico. São eles os principais responsáveis por proteger, detectar e combater invasores em nosso organismo, como vírus e bactérias. 

Neutropenia é o nome que damos ao quadro em que há diminuição de neutrófilos. Consideremos neutropenia níveis abaixo de 1500/µL, sendo casos muito graves abaixo de 500/µL.  E para entender, precisamos lembrar o que são neutrófilos.

Quando essas células estão em uma contagem muito baixa, quer dizer que estamos com pouca – ou nenhuma – proteção contra infecções. 

Agora que já entendemos o que é um quadro de neutropenia, vamos falar mais sobre a neutropenia febril? 

Pacientes oncológicos são pacientes que apresentam a imunidade comprometida por uma série de fatores, seja pela própria doença que baixa a imunidade como as que afetam a medula e células de defesa, pelo tratamento quimioterápico ou até mesmo em alguns casos por um transplante de medula óssea.

Por isso, estamos sempre cuidando para evitar o surgimento de infecções e tentar ao máximo proteger o sistema imunológico. 

Quando o paciente em tratamento quimioterápico faz febre, é sempre um sinal de alerta! Se a febre é igual ou maior que 38ºC é preciso fazer um exame de sangue para investigar o número de neutrófilos e investigar uma possível infecção. 

A neutropenia febril é um quadro comum que surge por consequência da quimioterapia, atingindo a maioria dos pacientes em algum momento do tratamento. E dizemos que é a “febre que mata” pois os pacientes com neutropenia febril se não tratados com urgência e não começarem o antibiótico o quanto antes correm risco de vida e infelizmente muitas vezes podem morrer.

Além disso, pacientes com leucemia, mieloma múltiplo e linfomas já são grupo de risco para surgimento de um quadro de neutropenia febril. 

Diagnóstico

Para investigar e realizar o diagnóstico, é preciso um exame de sangue para contagem de neutrófilos, mas também um exame físico bastante minucioso para encontrar o foco da infecção: garganta, local de inserção de cateter, corte, fundo de olho, pulmão, períneo. 

Tratamento

O tratamento será feito de acordo com a gravidade do paciente. Se houver, junto com a neutropenia, presença de hipotensão (pressão arterial baixa), desidratação, pneumonia ou outro sinal de gravidade, é recomendado a internação. 

Em todos os casos serão realizados hemogramas para acompanhar o número de neutrófilos e o paciente deverá ser acompanhado de perto e usar antibióticos potentes.

A neutropenia febril é uma das emergências oncológicas pois se não tratada rapidamente, pode comprometer todo organismo com a infecção e lavar o paciente a óbito, sendo, inclusive, uma das principais causas de morte durante o tratamento oncológico. 

Por isso é preciso estar atento aos exames laboratoriais e a sinais que muitas vezes são ignorados pelo próprio paciente. 

Você já tinha ouvido falar sobre essa emergência oncológica? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Me conte nos comentários!

E você, colega médico, já investigou ou tratou quadros de neutropenia febril? Quais foram os maiores desafios? 

Dra. Suelen Stallbaum⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Hematologista (RQE 21.929)⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
📱Londrina ligue para (43) 3372-2500 no Centro de Oncologia⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
(43) 3361-0111 Reumato Clínica.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Apucarana (43) 3034-0789⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
WhatsApp (43) 99187-919

4 comentários em “Febre pode matar? Entenda a neutropenia febril”

  1. É vdd, tive no início de tudo febres intermitentes sem saber a causa. Logo fui encaminhada pra uma hematologista e causa descoberta. Tratamento quimioterápico, tive muitas infecções, todas tratadas.
    Mas sempre que eu tiver febre, terei que avisar minha hematologista?
    E fazer aquela bateria de exames de sangue?

  2. Boa tarde, Doutora Suelen
    Eu procurei no seu blogue mas não encontrei nenhum post que responde minha questão especificamente, aí decidi escrever neste.
    Tenho 44 anos, 1, 75m, 62 kg, sou caucasiano filho e neto de europeus latinos e sempre fui saudável, praticante de atletismo amador e desde os 20 anos sou doador de sangue.
    Após as últimas análises de rotina recente o médico do SUS disse que tenho uma “leucopenia”. Eu disse que desde os 20 anos sou dador de sangue e achava que por isso eu tinha sangue bom porque não faria sentido que outra pessoa recebesse o meu sangue se eu fosse doente do sangue. Ele disse que eu podia ter uma doença oculta por exemplo uma “hipoplasia celular” e falou que eu devia fazer uma “biópsia da medula óssea para investigar a causa da leucopenia”. Eu recusei, mas ao mesmo tempo fiquei muito assustado e por esse motivo deixei de doar sangue. Esses dias fui abordado por um grupo de doadores de sangue do Lions Clube que me convidaram para voltar a doar sangue para ajudar na pandemia e um deles disse que também tem leucopenia como eu e que isso não é problema se eu não tenho infeções nem outras queixas. Realmente não tenho queixa nenhuma nem tomo medicamentos nem nunca tive AIDS, hepatite, tuberculose, febre amarela, dengue, nunca fiz quimioterapia. Como nessa situação de pandemia que a gente está vivendo fica difícil ter uma segunda opinião, eu tomei a liberdade de escrever para pedir uma palavra se a minha leucopenia tem realmente alguma importância médica ou se é apenas uma coisa minha como certas pessoas tem nariz grande ou pé pequeno sem que isso seja patológico. Estou enviando uma tabela com as análises feitas nos últimos 24 anos. São análises de rotina pedidas por vários médicos do SUS que em 24 anos nunca disseram que eu tinha problemas. Todos os outros parâmetros analíticos (neutrófilos, basófilos, monócitos, linfócitos, hemoglobina, velocidade de sedimentação, plaquetas, etc. sempre foram e continuam sendo tudo dentro dos valores de referência. O único “problema” são os leucócitos. Assim, nos últimos 24 anos eu tive os seguintes números de leucócito total:
    6,1
    4,2
    3,0
    3,5
    2,4
    3,2
    4,8
    4,1
    3,7
    3,7
    3,0
    3,1
    5,3
    O último resultado foi esse aqui:
    Leucócitos: 3,8 10^3/µL
    Neutrófilos: 2,2 10^3/µL
    Outros marcadores tudo dentro dos valores de referência
    Obrigado pela orientação

    • Oi Francisco, tudo bem? Puxa primeiro que legal seu relato, que bom que você me achou pela internet, fico feliz em poder ajudar. Eu não consigo te dar uma resposta completamente embasada, porque eu não conheço seu caso, por mais que você tenha me contato com bastante riqueza de detalhes, não tem como te dar uma posição formal, sendo que você não passou por consulta médica comigo.
      Existem muitas causas de Leucopenia, desde causas bem simples, como fisiológicas, racial, você nasceu assim, existem causas como deficiência de vitaminas, existem causas como infecções crônicas, por exemplo: Hepatite, HIV, existem problemas direto na medula, que podem ser Lipoclasia ou Mielodisplasia, existem outras doenças autoimunes. Enfim, são muitas causas, pelo que eu percebi dos seus variados exames, você em vários deles, nem tem Leucopenia. Neste último por exemplo que você mandou, que deu 3800 leucócitos e 2200 neutrófilos, essa parte do seu exame está normal, claro que eu não estou vendo o resto, quando a gente avalia a Leucopenia, não é só a Leucopenia, que a gente avalia, a gente tem que avaliar o resto do Hemograma e o resto dos exames de sangue. Por este último exame, eu diria que seus Leucócitos estão normais. E você não teria Leucopenia, baseado nesse exame, porque o valor normal dos leucócitos é acima de 3700, então com 3800 está normal, está certo? Espero ter ajudado, mais do que isso, infelizmente somente por consulta, para poder avaliar todo o resto, com calma e poder emitir uma opinião precisa.
      Se você quiser, você pode falar onde você mora e eu consigo indicar um especialista perto de você ou se desejar, eu também atendo por teleconsulta, então em tempos de Pandemia, que a gente não quer sair de casa, acho que é uma ótima opção, embora no seu caso especificamente, uma das coisas bem importante para gente avaliar, no exame físico de quem tem Leucopenia, é se tem baço aumentado, se tem algum linfonodo, se tem alguma lesão em pele, mas talvez para você seria melhor ser uma consulta presencial mesmo, mas se quiser, na teleconsulta eu consigo falar mais do que falei por aqui, ta bom? Um abraço.
      Dra Suelen

Os comentários estão encerrado.