Dra. Suelen Rodrigues Stallbaum – Hematologista Londrina, Apucarana, Maringá e região

Anemia na terceira idade: o que é e quando se preocupar?

Por aqui a gente está sempre falando sobre doenças relacionadas ao sangue, que são minhas especialidade. Mas uma delas é “campeã” de dúvidas: a anemia. Então hoje eu quero falar sobre a presença de anemia em um grupo muito especial, que é a terceira idade.

 

A anemia acontece quando o nível de hemoglobina (responsável pelo transporte de oxigênio no sangue) está abaixo do normal. E na terceira idade pode acontecer por deficiência de nutrientes, como o ferro e vitamina B12 e também por doenças crônicas, que inclusive você pode ler mais sobre o assunto no meu blog!

 

Os estudos sobre anemia em idosos no Brasil ainda são poucos, mas relatam que cerca de 10% das pessoas acima de 65 anos apresentam a condição. É importante dizer que, diferente da anemia em pessoas jovens, no idoso ela pode estar relacionada com infecções, doenças e muitas vezes com problemas nos rins, por isso a atenção deve ser grande.

 

Os principais sintomas de anemia na terceira idade são:

 

  • Fadiga

  • Cansaço excessivo

  • Desinteresse por atividades corriqueiras, que pode ser confundido com depressão

  • Dificuldade para se movimentar, por conta do baixo nível de oxigênio no sangue

     

Quando o paciente chega ao consultório para avaliar uma possível anemia, precisamos entender também se há doenças relacionadas, anemias hereditárias e grande perda de sangue recente. Isso está diretamente ligado ao tratamento que será escolhido: reposição de ferro, vitamina B12, eritropoetina (em casos de anemia por insuficiência renal) ou até mesmo transfusões de sangue. Além disso, nos idosos com anemia sempre devemos investigar a presença de uma doença chamada Mieloma Múltiplo (também já falei sobre ela por aqui) e também rastrear outros tipos de câncer.

É preciso ter em mente que ao passar dos anos nossa saúde vai mudando e precisamos estar atentos aos sintomas e sinais que nosso corpo dá. Está se sentindo cansado e sem disposição para o que antes fazia normalmente? Você pode estar com anemia e somente um exame de sangue poderá mostrar isso.

 

E se você conhece alguém que não tenha acesso aos meus conteúdos mas que precisa dessa avaliação, o deixe informado! Pode parecer pouca coisa, mas a anemia não tratada pode impactar muito seriamente a saúde do paciente.

 

Sou hematologista e atendo pacientes a partir dos 16 anos em Londrina e Apucarana. Para agendar uma consulta comigo em Londrina ligue para (43) 3372-2500. Em Apucarana o número é (43) 3422-0836. WhatsApp apenas para agendamento: (43) 99187-9191. E se tiver alguma dúvida, deixe nos comentários! Até a próxima 🙂

Anemia pós cirurgia bariátrica: você sabe o que acontece?

Com certeza você conhece alguém que já fez ou pensa em realizar o procedimento da cirurgia bariátrica, não é? A famosa “redução do estômago” ganhou muitos adeptos nas últimas duas décadas e tem sido um forte tratamento no combate aos perigos da obesidade severa e as consequências que ela traz, como hipertensão, problemas cardiológicos e nutricionais.

Porém, o que muita gente não se atenta é que com uma mudança tão importante na vida, algumas consequências também são notadas. Com a cirurgia bariátrica ou metabólica retiramos um pedaço do estômago e em algumas técnicas também um pedaço do intestino e o paciente naturalmente passa a comer menos – geralmente bem menos – do que comia anteriormente. Isso porque de fato o seu organismo não suporta mais a mesma quantidade de alimentos ingeridos diariamente, tanto por comer menos, e principalmente por não ter mais uma parte de órgãos fundamentais na absorção dos nutrientes. É aí que surge uma das principais “heranças” pós-bariátrica: a anemia.

Sabemos que a anemia pode acontecer por diferentes motivos, mas ela é muito presente em pacientes que realizaram redução do estômago porque passa-se a ingerir muito menos nutrientes. O mais comum é notarmos não só a falta de ferro, mas também de zinco, ácido fólico, vitamina D, cálcio e vitamina B12.

Além disso, como houve uma diminuição de órgãos, também diminui-se a absorção dos micronutrientes que são ingeridos, contribuindo para o quadro.

É importante ressaltar que vitaminas e minerais auxiliam a regular o metabolismo, o que é importantíssimo para o sucesso na perda de peso pós-cirurgia. Por isso, não adianta apenas realizar o procedimento e não fazer um acompanhamento, concorda?

O ideal é que o paciente faça um hemograma antes da cirurgia para já identificar uma possível anemia ou deficiência de nutrientes para suplementação prévia. Depois da cirurgia, o acompanhamento deve ser ainda mais rigoroso, tanto com profissionais como o médico hematologista (minha especialidade) quanto com um nutricionista para prescrever a melhor dieta, dentro das calorias que o paciente pode consumir e nutrientes que estão em falta.

Devemos ter em mente que nenhum procedimento cirúrgico substitui totalmente o cuidado que temos que ter com nossa saúde, ok? Existem casos de anemia grave pós-bariátrica, por isso reforço a importância de estar sempre em dia com exames de sangue para checagem dos níveis de ferro e vitaminas no corpo.

Se você já fez o procedimento da bariátrica ou está prestes a fazer, não esqueça que os cuidados não acabaram! Sou hematologista e atendo em Londrina e Apucarana. Para agendar uma consulta comigo, em Londrina ligue para (43) 3372-2500  ou (43) 3422-0836 em Apucarana. WhatsApp apenas para agendamento: (43) 99187-9191. E se tiver alguma dúvida, deixe nos comentários! 🙂

Doença de Gaucher: conheça e tire suas dúvidas!

Se você nunca ouviu falar em Doença de Gaucher, tudo bem! Hoje vamos aprender juntos, que tal? Para isso, vou começar relembrando alguns conceitos, ok?

Todos nós temos em nosso corpo usinas de reciclagens dentro das células, que são os lisossomos e dentro dos lisossomos nós temos uma enzima (chamada beta-glicosidase) cuja função é quebrar e reciclar os resíduos de gordura que se encontram dentro dos lisossomos. Porém, quando falta essa enzima ou ela está deficiente, existe a Doença de Gaucher.

Uma mutação – ou seja, um erro genético – faz com que a enzima seja produzida diferente ou simplesmente não seja produzida. A consequência disso é: as gorduras dos lisossomos não são quebradas e são acumuladas na medula óssea do paciente ou em órgãos como fígado e baço.A gordura acumulada em qualquer lugar não faz bem, mas nesses locais faz muito mal e traz graves consequências de longo prazo à saúde.  

Para que a doença exista, é preciso que tanto o pai quanto a mãe sejam portadores da mutação no DNA. Por isso é importante lembrar que a Doença de Gaucher é hereditária, ou seja, passa de pais para filhos, mas para a criança nascer com a doença há necessidade de que tanto pai, quanto mãe sejam portadores da doença e mesmo assim a chance da criança nascer é de apenas 25%.

Se os pais já sabem que são portadores da mutação, podem solicitar o exame aos filhos para detectar a doença. Caso contrário, é preciso ficar atento aos sintomas!

A Doença de Gaucher muitas vezes traz sintomas diferentes para cada paciente. Os mais comuns são:

 

  • Sangramento no nariz
  • Dor nos ossos
  • Manchas roxas
  • Cansaço
  • Atraso no crescimento da criança
  • Baço e fígado aumentados (a barriga da criança pode ficar inchada)

 

O diagnóstico é feito por um exame de sangue e após confirmada a doença, o médico responsável (hematologista) irá definir o melhor tratamento. Infelizmente a doença ainda não tem cura, mas o paciente pode ter excelente qualidade de vida se a doença for diagnosticada ainda no início.
O principal tratamento é diminuir o índice de gordura que se acumula nas células, para diminuir o volume dos órgãos afetados e controlar a doença.

Tem algum familiar com Doença de Gaucher ou precisa de uma consulta? Sou hematologista e atendo em Londrina e Apucarana pacientes a partir de 16 anos. Para agendar uma consulta comigo, em Londrina ligue para (43) 3372-2500  ou (43) 3422-0836 em Apucarana. WhatsApp apenas para agendamento: (43) 99187-9191. E se tiver alguma dúvida sobre o tema de hoje, deixe nos comentários! 🙂