Dra. Suelen Rodrigues Stallbaum – Hematologista Londrina, Apucarana, Maringá e região

Baço aumentado: entenda o que é

Há pouco tempo eu preparei um conteúdo explicando melhor sobre um órgão que pouca gente sabe para que serve: o baço. E aí é comum surgir a pergunta: o que causa o baço aumentado? É grave? Como tratar?

Para te explicar mais sobre isso, resolvi falar especificamente sobre a Esplenomegalia, que é exatamente o aumento do baço. Vamos lá?

Esse nome complicado (esplenomegalia) é o termo científico para falar sobre o aumento do volume do baço. Vamos relembrar a função desse órgão?

O baço trabalha tanto na parte imunológica, onde ele é responsável por amadurecer e armazenar alguns tipos específicos de linfócitos que são uma das variedades de células de defesa, quanto na área hematológica, onde é ele quem destrói as hemácias velhas ou defeituosas, agindo como um filtro, capaz de identificar vírus e bactérias que não deveriam estar no sangue e eliminando-os.

Além disso, o baço também tem a capacidade de armazenar sangue, podendo liberar no corpo em casos de hemorragias. Eu também já contei aqui na página antes que no feto o baço é o responsável por produzir sangue, lembra?

Em condições normais o baço tem entre 12 e 14 cm, mas alguns fatores podem causar seu aumento, nem sempre apresentando sintomas. São eles:

Infecções

Infecções como a mononucleose podem causar o inchaço do baço, mas geralmente esse sinal é acompanhando de outros sintomas.

Cânceres

Alguns tipos de cânceres podem causar a esplenomegalia, em especial linfoma e leucemia.

Doença de Gaucher

Lembra que falei sobre essa doença por aqui? Todos nós temos em nosso corpo usinas de reciclagens dentro das células, que são os lisossomos e dentro dos lisossomos nós temos uma enzima (chamada beta-glicosidase) cuja função é quebrar e reciclar os resíduos de gordura que se encontram dentro dos lisossomos. Porém, quando falta essa enzima ou ela está deficiente, existe a Doença de Gaucher.

Além dessas causas, existem alguns grupos de riscos como alcoolistas, pessoas com condições que afetam a imunidade como HIV positivo, lúpus ou portadores de talassemia (por conta da destruição de hemácias).

Agora você pode pensar: Certo, já entendi que o aumento do baço pode estar relacionado com uma condição mais grave. Mas quais os sintomas posso apresentar?

Nem sempre a esplenomegalia apresenta sintomas. Mas existem os mais clássicos que são:

  • Aumento do volume abdominal
  • Dor abaixo das costelas (região do baço)
  • Febre
  • Palidez

Realizando o diagnóstico

O primeiro exame a ser realizado quando suspeita-se do baço aumentado é o exame físico. Ou seja, por meio do toque o médico poderá sentir se há algo alterado no abdômen.

Porém, exames complementares são fundamentais. A ultrassonografia nos mostra exatamente o tamanho do órgão e uma tomografia ou ressonância ajudam a encontrar, além do aumento do baço, uma possível causa para isso.

Com a confirmação do aumento do baço serão solicitados os exames para descobrirmos a causa: exame de sangue é bem importante para investigar alterações como infecções, número de hemácias e alterações em outras séries do sangue.

Para o tratamento, tudo vai depender da causa. Em alguns casos, é indicada a retirada do órgão.

Ficou com alguma dúvida? Deixe nos comentários! Agora, se você precisa de uma consulta, em Londrina ligue para (43) 3372-2500. Em Apucarana o número é (43) 3422-0836. WhatsApp apenas para agendamento: (43) 99187-9191. Até a próxima 🙂

2 comentários em “Baço aumentado: entenda o que é”

  1. Bom dia
    Sou de Andirá e tenho uma neta com 9 anos de idade que foi diagnosticada com o aumento do basso pela Médica Pediatra. Ela pediu que fizesse repouso. Estamos cumprindo com o determinado mas não estamos vendo resultado.
    no último exame feito o resultado foi o seguinte:
    EPSTEIN BARR IgG ( MONONUCLEOSE ) método: QUIMIOLUMINESCÊNCIA ) Resultado: 60,93
    EPSTEIN BARR IgM ( MONONUCLEOSE ) método: QUIMIOLUMINESCÊNCIA ) Resultado: 2,20. Não sabemos o que fazer.

    • Boa tarde Alberto.
      Puxa, que chato essa situação.
      Infelizmente não atendo pacientes pediátricos.
      Minha sugestão é que procure um Hemotopediatra que terá condições de dar um diagnóstico e também definir um tratamento correto se for o caso.
      Desejo meus sinceros votos de melhoras à sua Neta!
      Att,
      Dra. Suelen Stallbaum

Os comentários estão encerrado.