Dra. Suelen Rodrigues Stallbaum – Hematologista Londrina, Apucarana, Maringá e região

Você já conhece o exame da medula óssea?

Diversas vezes aqui nos meus conteúdos você já deve ter lido sobre o exame do mielograma. Mas, você sabe o que ele é e quando realizamos? Então vem comigo que vou te explicar!

A avaliação da medula óssea feita através do mielograma e da biópsia é extremamente importante dentro da hematologia e por isso hoje queria lembrar com vocês o que é a medula óssea. 

Nossa fábrica de sangue é um tecido líquido-gelatinoso que fica no interior dos ossos. É onde acontece a produção das nossas células sanguíneas, como glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas.

Então, se algo não vai bem lá, precisamos descobrir com prontidão e é aí que entra o mielograma e/ou a biópsia. 

Os exames de mielograma e biópsia são bastante parecidos e geralmente feitos em conjunto.

Quando é solicitado o exame da medula óssea?

Sempre que suspeitamos de alguma doença ou alteração na medula óssea, por conta de sintomas e sinais apresentados pelo paciente, como exames de sangue alterados ou sinais e sintomas presentes no exame físico. E você sabe quais são essas alterações e doenças?

  • Cânceres hematológicos como leucemias, mieloma múltiplo e linfoma
  • Síndrome Mielodisplásica
  • Aplasia da medula
  • Algumas doenças infecciosas, como a leishmaniose

Como são realizados?

Com uma agulha especial, já que será necessário perfurar um osso, é retirada uma amostra da medula óssea para o mielograma e uma amostra do osso para a biópsia da medula.

O mielograma e a biópsia podem ser feitos no osso da bacia. E se for apenas um mielograma pode ser feita análise no osso esterno também que fica na frente do peito.

É verdade que o exame assusta, mas ele é feito com uso de anestesia local para tornar o momento um pouco mais tranquilo!

O que conseguimos avaliar? 

De maneira resumida, conseguimos avaliar o funcionamento da medula óssea, ou seja, se a produção das células do sangue estão acontecendo dentro da normalidade em quantidade, formato e aspectos gerais. 

Por isso é fundamental que a avaliação seja feita por um hematologista, que é o médico que estuda as doenças do sangue, inclusive as doenças oncológicas. 

A partir dos resultados, podemos ter um diagnóstico e iniciar o tratamento da doença, como uma leucemia, por exemplo.

Pacientes hemato-oncológicos podem realizar o exame mais de uma vez, pois é por meio dele que também conseguimos avaliar a progressão/regressão de algumas doenças como leucemias. E em casos de transplante da medula óssea, constatamos que o transplante funcionou e a nova medula está realizando seu trabalho direitinho 🙂

Você já conhecia esses detalhes sobre o mielograma? Já realizou alguma vez ou conhece quem tenha feito? Me conte nos comentários!

Dra. Suelen Stallbaum⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Hematologista (RQE 21.929)⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
📱Londrina ligue para (43) 3372-2500 no Centro de Oncologia⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
(43) 3361-0111 Reumato Clínica.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Apucarana (43) 3034-0789⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
WhatsApp (43) 99187-919

Dia Mundial das Doenças Raras

Hoje é o dia mundial das doenças raras e eu gostaria de abrir espaço para esse assunto porque dentro da hematologia nós temos várias doenças raras e várias que não são consideradas raras, mas mesmo assim ainda são pouco conhecidas, o que dificulta muito o diagnóstico e o tratamento.

Hoje vamos falar sobre 2 tipos de câncer raros e que precisam ser conhecidos. Vamos lá?

Policitemia Vera

A Policitemia Vera faz parte do grupo de doenças mieloproliferativas, que surgem por conta de uma alteração na medula óssea, mais precisamente uma mutação nas células-tronco. Com isso, os glóbulos vermelhos, que são os “transportadores” de oxigênio no sangue, passam a se multiplicar de forma descontrolada, tornando o sangue “mais grosso”, o que pode gerar problemas na circulação

 A Policitemia pode variar desde assintomática até sintomas graves. Alguns dos sinais e sintomas são:

  • Dores de cabeça
  • Aumento do baço (esplenomegalia)
  • Hematomas 
  • Sangramentos gengivais
  • Tromboses em geral
  • Formigamentos

Na PV é sempre importante o diagnóstico diferencial com outras causas de aumento das células vermelhas. Os principais exames são: 

  • Hemograma
  • Eritropoietina
  • Biópsia da Medula Óssea
  • Citogenética e pesquisa de mutações, como a da JAK-2

Se não tratada, a Policitemia Vera pode evoluir com complicações. A doença pode também evoluir para outras doenças hematológicas como a Mielofibrose ou a Leucemia Mieloide Aguda. Hoje não falamos em um tratamento de cura para a doença, mas conseguimos um bom controle, evitando os sintomas que podem surgir.

Mieloma múltiplo 

Um câncer raro, embora seja a neoplasia hematológica mais comum, atinge principalmente homens acima dos 60 anos. O mieloma é um câncer que começa lá na medula óssea. 

O mieloma surge devido a um defeito no DNA das células chamadas plasmáticas ou plasmócitos que passam a se multiplicar e produzir proteínas de forma anormal. Essas células doentes se acumulam na medula óssea, dificultando o funcionamento das células saudáveis e podem também migrar para outros órgãos como ossos ocasionando diversos problemas, principalmente dor e fraturas.

Os sinais e sintomas mais comuns quando a doença já está um pouco avançada são:

  • fortes dores ósseas
  • fraqueza 
  • fraturas
  • fadiga (devido a uma possível anemia)
  •  infecções recorrentes 
  •  demora na recuperação de infecções
  • alterações na urina, como presença de espuma

Infelizmente, ainda não existe cura para o Mieloma, por isso, o tratamento tem como principal objetivo o controle da doença, oferecendo qualidade de vida ao paciente e evitando que outros órgãos sejam afetados, como ossos e rins.

Essas são apenas algumas das doenças raras dentro da hematologia, mas se você me acompanha por aqui sabe que trabalhamos com várias delas. E você, conhecia essas doenças ou conhece outras doenças raras? Conta nos comentários e já sabe, qualquer dúvida, estou sempre por aqui.

Abraços,

Dra. Suelen Stallbaum⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Hematologista (RQE 21.929)⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
📱Londrina ligue para (43) 3372-2500 no Centro de Oncologia⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
(43) 3361-0111 Reumato Clínica.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Apucarana (43) 3034-0789⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
WhatsApp (43) 99187-919

 

 

Entenda o que é fator Rh

Quando perguntam qual seu tipo sanguíneo, você responde com uma letra seguida de “positivo” ou “negativo”, certo? Mas você sabe de onde vem essa segunda característica? 

Hoje vou te explicar sobre o que é o fator Rh e o papel dele. Primeiro, vou começar com uma parte histórica, olha só! 

De forma bem resumida, os tipos sanguíneos podem nos dizer se o sangue de duas pessoas é compatível. em 1900, o médico austríaco Karl Landsteiner notou que quando juntamos amostras de sangue de pessoas diferentes dois resultados poderiam ocorrer:

  • Os sangues se misturavam sem problemas
  • Os sangues não se misturavam, havendo uma intensa destruição das hemácias (glóbulos vermelhos) e formação de coágulos.

Nesse segundo caso, o experimento mostrava que existia a incompatibilidade sanguínea. Foi a partir daí que o Dr. Landsteiner descreveu a classificação ABO de tipos sanguíneos, usada desde então. Décadas depois, ele descobriu outro fato importante relacionado ao sangue: através de experimentos envolvendo macacos, descobriu-se que mesmo pertencendo ao mesmo tipo (A, B, O ou AB), amostras de sangue permaneciam incompatíveis graças a um fator que poderia ser positivo ou negativo. A partir daí surgiu o fator Rh do sangue.

O que é fator Rh?

O fator Rh é um antígeno que pode estar presente ou não. Essa informação é bastante importante, porque em caso de necessidade de transfusão, o paciente com fator Rh negativo não poderá receber sangue de uma pessoa do mesmo grupo sanguíneo, mas com fator Rh positivo. 

Caso haja transfusão com incompatibilidade, temos um quadro grave de destruição das hemácias transfundidas. Essa reação é uma emergência médica, que pode evoluir para coagulação do sangue dentro dos vasos sanguíneos por todo o corpo, choque circulatório, insuficiência renal aguda e morte.

Além disso, em pacientes grávidas com sangue fator negativo e marido com sangue positivo, é preciso já saber dessa informação antes da gestação ou logo no início. Isso porque caso o bebê herde o Rh positivo do pai e o sangue entre em contato com a corrente sanguínea da mãe, o sistema imunológico materno pode reagir como se o feto fosse um “invasor” e produzir anticorpos contra o fator Rh dele. É o que chamamos de Eritroblastose fetal, mas isso é história para outra conversa. 

Viu só como o fator Rh não é só um símbolo no tipo sanguíneo? Você já sabia dessas informações? Me conte nos comentários e compartilha para mais gente ficar sabendo!

👩🏻‍⚕️Dra. Suelen Stallbaum⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Hematologista (RQE 21.929)⠀⠀⠀⠀⠀⠀
📱Londrina ligue para (43) 3372-2500 no Centro de Oncologia⠀⠀⠀⠀⠀⠀
(43) 3361-0111 Reumato Clínica.⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Apucarana (43) 3034-0789⠀⠀⠀⠀⠀⠀
WhatsApp (43) 99187-919