Dra. Suelen Rodrigues Stallbaum – Hematologista Londrina, Apucarana, Maringá e região

O que altera no meu sangue quando estou grávida?

“O que muda no sangue quando a mulher está grávida?” Achei esse tema suuuper pertinente ao momento que estou vivendo. E aí, você gestante ou que é mamãe, sabe o que muda no seu sangue durante a gravidez? Vem comigo que vou te explicar!

Alteração do volume do sangue

Pensa só: estamos gerando uma (ou duas no meu caso!) nova vida. O coração precisa bombear mais sangue para o corpo e como consequência, precisa de mais sangue. Por isso, temos o aumento do volume do sangue, mas na prática o que aumenta é líquido, então o sangue fica mais diluído.

Maior chance de anemia

Por conta do aumento do volume do sangue e da maior demanda, elementos como o ferro podem se diluir mais facilmente e não ser encontrado nas concentrações adequadas. Além disso, a mãe está fornecendo nutrientes para o bebê e por isso durante a gestação aumentam as chances de anemia ferropriva ou por carência de vitamina B12, por exemplo.

Aumento dos glóbulos vermelhos

A função principal dos glóbulos vermelhos (eritrócitos) é transportar oxigênio para as células do corpo. Papel importante, né? E como aumenta a necessidade de oxigênio no corpo da mulher, temos um maior número de glóbulos vermelhos também. Esse aumento pode chegar a 30%. 

Leucócitos também aumentam

Os leucócitos, chamados de glóbulos brancos, são responsáveis pelo nosso sistema imunológico, ou seja, nos defendem dos “invasores”, como nos casos de infecção.

Na gestação, o número de leucócitos também pode aumentar e chegar até em torno de 15.000/mm3, especialmente no segundo e terceiro trimestres. Porém é sempre importante ficar de olho para descartar infecções caso a contagem de leucócitos fique muito alta ou a gestante tenha algum sintoma infeccioso.

Em casos específicos, quando há predisposição genética, também podem haver quadros de trombose por conta da alteração da coagulação sanguínea. 

Em um simples hemograma o seu obstetra poderá identificar alterações que sugerem que você precise de um acompanhamento também de um hematologista. Por isso o pré-natal é tão importante!

Você já sabia sobre essas alterações? Compartilhe com uma grávida para ela entender um pouco mais sobre as mudanças que estão acontecendo.

 

Dra. Suelen Stallbaum⠀
Hematologista (RQE 21.929)⠀
📱Londrina ligue para (43) 3372-2500 no Centro de Oncologia⠀
(43) 3361-0111 Reumato Clínica
(43) 3027-2975 Clínica Cen

WhatsApp (43) 99187-9191

Você sabe o que é o exame de PET Scan?

Dentro da hematologia e da oncologia existe um exame que muitas vezes pode até tirar o sono dos pacientes. Hoje eu vou falar com vocês sobre o PET-Scan. Vem comigo para entender mais sobre ele?
 
O PET-Scan é um exame de imagem usado para diagnóstico e acompanhamento de tumores. Ou seja, se a gente desconfia que o paciente possa ter células neoplásicas (ou seja, células de câncer), podemos solicitar o exame. E se o paciente já está em tratamento, faz parte para muitos tipos de câncer, o acompanhamento também pelo exame de PET-Scan.
 
E você sabe como ele funciona e como ele mostra para gente se existem células cancerígenas, tumor, quantos e em qual tamanho?
 
Para começar o exame, o paciente deverá tomar, podendo ser via oral (em um líquido) ou direto na veia, o famoso contraste/marcador. Basicamente é uma solução de glicose com uma substância radioativa. E aí acontece a “mágica”.
 
Durante o exame, o PET vai mostrar se a solução radioativa está sendo mais absorvida do que o normal em alguma região e isso só acontece nas áreas em que há algum processo inflamatório intenso. Mas sabe o porquê disso? Porque como a solução é de glicose, as células diferenciadas (chamadas também de “malignas”) vão absorver muito essa glicose, que é fundamental para esse processo de diferenciação e multiplicação delas.
 
Assim, elas mesmas “se mostram” para a gente saber onde estão. Mas como processos inflamatórios também podem alterar o exame, precisamos ficar bastante atentos para entender se essa alteração do PET é realmente da doença ou de alguma complicação dela como uma infecção ou até mesmo pela quimioterapia.
 
Na hematologia, usamos para estadiamento e acompanhamento de linfomas e também de mieloma múltiplo. Assim, conseguimos visualizar em quantidade como a doença está no corpo. PET Scan NUNCA deve ser usado para diagnóstico de doenças, ok?
 
Muitas vezes o paciente fica nervoso por medo da doença estar avançando. Mas também é um presente quando vemos o tratamento desacelerando a multiplicação das células e até mesmo “limpando” o organismo.
 
Minha dica para quem vai fazer o exame é pensar no hoje: concentre-se em estar calmo durante o procedimento e espere até a consulta com sua hemato para conversar sobre o resultado, ok?
Agora eu quero saber: você já fez um PET-Scan? Já conhecia o exame?
Dra. Suelen Stallbaum⠀
Hematologista (RQE 21.929)⠀
📱Londrina ligue para (43) 3372-2500 no Centro de Oncologia⠀
(43) 3361-0111 Reumato Clínica
(43) 3027-2975 Clínica Cen

Apucarana (43) 3034-0789⠀
WhatsApp (43) 99187-9191

Ferro na veia – como? Quando? Por quê?

Você já ouviu falar em reposição de ferro direto na veia? Já se perguntou quem precisa disso? Então vem comigo que no post de hoje eu vou te explicar!

A reposição de ferro endovenosa (na veia, que vai direto para a corrente sanguínea), é indicada em alguns casos e eu quero te explicar mais sobre isso hoje, porque esse é um assunto que gera muitas dúvidas: todo paciente com anemia precisa? Por que eu não fiz reposição direto na veia, não é mais rápido?

Ler mais